Posts

Arquitetos viabilizam mais segurança e qualidade a obras

Conheça o passo a passo para elaboração de projetos de Arquitetura. Assessoria especializada pode evitar dores de cabeça e garantir melhores resultados em obras e interiores.

Para construir, decorar ou reformar, a assessoria de um profissional de Arquitetura pode representar economia de tempo e dinheiro, além de uma maior qualidade na execução e no resultado. O trabalho do arquiteto vai desde os estudos para implantação, projeto para instalações elétricas, hidráulicas e iluminação, até definição de acabamentos como móveis e cortinas, por exemplo.

Um projeto arquitetônico é cheio de grande complexidade. Por isso, é composto de várias etapas que buscam garantir uma obra de qualidade que atenda a todas as necessidades e resultados requeridos pelos moradores. Muitas destas etapas contam com a participação ativa do cliente. Outras só dependem da autonomia e experiência do profissional.

Para ajudar na compreensão do processo de criação do trabalho de um arquiteto, conversamos com a arquiteta curitibana, Renata Pisani, que acumula um portfólio de 18 anos de experiência e mais de 200 projetos executados.

 

1. Cadastro cliente e briefing inicial

Nesta etapa, as informações fornecidas pelo cliente são muito importantes para o estudo inicial do projeto. Para isso, a arquiteta precisa de documentos pessoais do cliente e do imóvel, como guia amarela, registro de imóveis e normativas internas de condomínios.

“O briefing inicial é composto pelas informações referente ao projeto e questões burocráticas do imóvel. Pois, nele contém a metragem e informações sobre a tipologia do projeto, localização e legislação específica e vigente municipal, estadual e federal. Assim é possível verificar restrições de uso, taxa de ocupação, coeficiente de aproveitamento, recuos e afastamentos e número de vagas permitidas”, explica Renata Pisani.

 

2. Levantamento de dados e programa de necessidades

Após assinatura de contrato e a definição de prazos, arquiteta e cliente se reúnem para definição do programa de necessidades, especificando alguns tópicos necessários para realizar o projeto. Primeiramente é definido um fluxograma / organograma dos espaços, bem como características funcionais da obra. Esse seria um detalhamento de atividade que a arquiteta realizar.

São definidos também compartimentação e dimensionamento preliminares, população fixa e variável, fluxos de pessoas, veículos e materiais, mobiliário, instalações e equipamentos básicos.

O cumprimento de prazos é estabelecido nesta etapa do projeto, para que a arquiteta solicite todos os recursos necessários para execução do projeto. A partir disso é definido acabamentos e sistema construtivo pretendido. Com isso, se contempla o padrão de construção e objetivos do cliente quanto à finalidade da obra.

No último tópico deste passo é feito um levantamento topográfico planialtimétrico. Nele é descrito o terreno com precisão, indicando os limites, construções vizinhas e internas à área, ruas e as calçadas limítrofes, além da vegetação do local. O projeto só terá início pela arquiteta após a entrega da documentação necessária e do levantamento topográfico.

 

3. Estudo preliminar

Esta etapa é destinada ao estudo inicial de todas as informações levantadas no passo 02 e definição do caminho a ser adotado. “Depois de feito um levantamento, apresentamos uma solução que consideramos a melhor, considerando o dimensionamento, setorização e funcionalidade. Pois, esses pontos irão garantir a definição do estudo preliminar que melhor se encaixe na necessidade do cliente”, explica.

Em seguida é feita a distribuição dos ambientes para obter o melhor aproveitamento da ventilação e iluminação natural, proporcionando conforto ambiental em cada espaço projetado. São elaboradas e especificadas técnicas construtivas e estéticas. Por fim é feito a apresentação de planta de distribuição e/ou volumétrica, planta de layout geral para definições atendendo o programa de necessidades. “Cada detalhe é importante para segurança e qualidade da obra ou do projeto de interiores”, complementa a arquiteta Renata Pisani.

 

4. Anteprojeto

A partir da escolha do projeto (passo anterior), a arquiteta faz o desenvolvimento com representação das informações técnicas provisórias. É a hora de produzir as plantas, cortes e elevações em 3D, além da distribuição de pontos elétricos básicos. Especificação e definição dos materiais, acabamentos, mobiliário e outros itens importantes para a evolução do projeto também são apresentados nesta etapa.

Ao final haverá informações suficientes para a contratação de sondagem e dos projetos complementares. Com isso, será possível dar início aos orçamentos de execução de obra.

 

5. Projeto de Personalização

Este é o momento que a arquiteta cria um briefing completo do conceito dos ambientes, contendo definição de equipamentos de áudio, vídeo e eletrodomésticos (com seus manuais) e outros elementos que necessitem instalação especial ou grande porte. Em seguida inicia-se o desenvolvimento dos espaços que possuem instalação hidráulica ou que podem alterar alvenaria (aberturas).

 

6. Projeto legal

Aprovado o projeto e tendo em mãos toda documentação necessária, a arquiteta inicia a parte burocrática. O projeto arquitetônico é encaminhado para análise e aprovação pelos órgãos competentes para obtenção do alvará e demais licenças indispensáveis para a atividade de construção.

“Essa é uma parte fundamental e é quando muitos têm prejuízo quando não têm uma assessoria especializada. Um projeto mal elaborado pode representar a não liberação da obra e, posteriormente, a não averbação dela. Por isso, todo investimento em estudos prévios valem a pena”, reforça a arquiteta.

 

7. Coordenação e compatibilização dos projetos complementares

Este passo consiste na seleção e orçamentos dos projetos complementares específicos desenvolvidos por profissionais externos ao escritório, como: hidráulico, elétrico, fundação, estrutural, prevenção de incêndio, CFTV, drenagem águas pluviais, GLP, gases especiais, climatização, elevadores, luminotécnico, sonorização, entre outros que serão necessários.

Feito a escolha e seleção dos projetos complementares específicos, inicia-se a compatibilização do projeto arquitetônico com os demais projetos complementares.

 

8. Projeto executivo e detalhamento

O projeto é apresentado com as informações técnicas definitivas para execução de obra. Em seguida, a arquiteta trabalha em um detalhamento e memorial de tudo que foi acordado.

 

9. Acompanhamento de obra

A arquiteta começa o processo de acompanhamento, passo a passo, da obra. Além da visita ao local de obra, ela tem o compromisso de tirar dúvidas com fornecedores e solucionar os problemas técnicos que podem ocorrer durante a obra. A execução deverá ser feita por empresas especializadas que forneçam garantias nos serviços prestados.

“Estar presente em cada fase do projeto garante que o trabalho seja executado de acordo com o contrato com o cliente. Assim é possível proporcionar um ótimo resultado e um projeto excelente do início ao fim”, finaliza.